Textos e livros

dezembro 8, 2009

Galera selecionamos alguns textos e livros que podem ser lidos por quem nunca teve contato com arquivologia para aprender conceitos básicos da área! Seguem abaixo as referências bibliográficas desses textos e livros para que vocês possam encontrálos. Boa leitura!

  1. ALBERCH i FUGUERAS, Ramón. Archivos, memoria y conocimiento. In: Archivos y cultura: manual de dinamización. ALBERCH i FUGUERAS, Ramón et al. Espanha, ediciones Treal, S.L, 2001, p. 13-26.
  2. ____________________________. Imagen, marketing y comunicación. In: Archivos y cultura: manual de dinamización. ALBERCH i FUGUERAS, Ramón et al. Espanha, ediciones Treal, S.L, 2001, p. 27- 44.
  3. ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2005.
  4. ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1973.
  5. BELLOTTO, Heloísa L. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro, FGV, 2004.
  6. COOK, Terry. Arquivos pessoais e arquivos institucionais: para um entendimento comum da formação da memória em um mundo pós-moderno. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 129-150, 1998. Acessível em http://www.cpdoc.fgv.br/comum/htm/.
  7. DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos históricos, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, v. 7, n. 13, p. 49-64, 1994. Acessível em http://www.cpdoc.fgv.br/comum/htm/
  8. LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: ROMANO, Ruggiero (ed.). Enciclopédia Einaudi, Memória – História, v. 1, [S. l.]: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1997, p. 95-106.
  9. MATTAR, Eliana. Acesso à informação e política de arquivos. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2003.
  10. RODRIGUES, Georgete Medleg. A formação do arquivista contemporâneo numa perspectiva histórica: impasses e desafios atuais. Arquivo&Administração, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 17- 42, jul.dez.2006.
  11. RODRIGUES, Georgete Medleg. A representação da informação em arquivística: uma abordagem a partir da perspectiva da Norma Internacional de Descrição Arquivística. In: RODRIGUES, Georgete e LOPES, Ilza Leite. Organização e representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília, Thesaurus, 2003, p. 210-230.
  12. ———————————————-. O direito de acesso aos documentos arquivísticos públicos: legislação de alguns países e comparação entre o Brasil e a França. In: Semana do Conhecimento/Encontro Nacional dos Profissionais de Informação e Documentação. Brasília, 2005.
  13. ROUSSO, Henry. O arquivo ou o indício de uma falta. Estudos históricos. Rio de Janeiro, v.9, n.17, p. 85-92, 1996. Acessível em http://www.cpdoc.fgv.br/comum/htm/
  14. ROUSSEAU, Jean-Yves, COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Trad. de Magda Bigote de Figueiredo. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1998.
  15. SANTOS, Vanderlei Batista dos. Gestão de documentos eletrônicos:uma visão arquivística. 2ª. ed. revista e ampliada. Brasília, DF, Abarq, 2005.
  16. SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas, 2. ed. Trad. de Nilza Teixeira Soares, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.
  17. SILVA, Armando Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda; RAMOS, Júlio; REAL, Manuel Luís. Arquivística Teoria e prática de uma ciência da informação. Porto, Portugal, Edições Afrontamento, 2002.

Alguns sites interessantes sobre esse assunto:

http://www.arquivonacional.gov.br/;http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/;http://www.ica.org/fr; http://www.aab.org.br/; http://www.aaerj.org.br/; http://www.aargs.com.br/; http://abarq.blogspot.com/;


Fique por dentro!

dezembro 6, 2009

Este post é  indicado para quem já conhece arquivologia e gosta de estar por dentro de discussões sobre a profissão, legislação, e outros temas relacionados. Nestes ambientes os associados trocam, divulgam eventos relacionados à área e publicam vagas de trabalho em todo o Brasil. Participe:

http://groups.yahoo.com/group/unbarquivologia/join

http://groups.yahoo.com/group/arquivo/join

http://groups.yahoo.com/group/arquivistas/join
INTERAJA!!!!
Att.

Arquivologia? (profissão, formação e mercado)

dezembro 4, 2009

Estavamos procurando algo que falasse sobre o arquivista – profissão, formação e mercado – e encontramos no site na UnB essa descrição:

  • Curso: Arquivologia

Gerenciar, preservar e dinamizar o patrimônio documental

Pilhas de documentos encostados no canto de uma sala, milhares de informações importantes perdidas em papéis sem qualquer identificação. A cena é recorrente em vários órgãos públicos e em empresas privadas que, na maioria das vezes, não dão o valor necessário aos documentos que contam sua história. Certidões, comprovantes e relatórios, que podem fazer a diferença na vida de várias pessoas, são deixados de lado por falta de organização.

O quadro, porém, está mudando, e para isso tem contribuído a formação de profissionais com curso superior em Arquivologia. Um arquivista é o profissional responsável pelo gerenciamento dos documentos e das informações arquivísticas. Os arquivos, por sua vez, têm um duplo papel: jurídico-administrativo e histórico-cultural. A formação desse profissional tem como foco principal o tratamento especializado dos documentos e das informações arquivísticas – registradas em qualquer tipo de suporte – produzidos e acumulados por uma pessoa física ou jurídica, pública ou privada, no curso de suas atividades.

A formação do arquivista busca também prepará-lo tanto para intervir e propor políticas públicas de acesso aos arquivos, tanto para os cidadãos como para a pesquisa científica quanto para ser um profissional capaz de sugerir os meios legais e científicos para a preservação da memória do passado coletivo.

O tratamento especializado dos arquivos implica várias etapas, desde a pesquisa até a preparação de instrumentos (catálogos, inventários, guias, bases de dados, etc.) que possibilitam o acesso aos documentos. A consulta ao documento certo, sem perda de tempo, pode garantir rápidas decisões e um posicionamento estratégico mais eficiente.

Um arquivista deve estar preparado para abordar os arquivos em sua totalidade, em todo o ciclo de vida dos documentos. O ciclo de vida documental – conceito nascido nos Estados Unidos – considera que os documentos de arquivo passam por três fases: corrente, intermediária e permanente. A primeira corresponde aos documentos de uso muito freqüente, geralmente por seus produtores, e a última é mais comumente conhecida como a dos “arquivos históricos”. Não tendo mais que responder aos objetivos imediatos dos seus criadores, estes arquivos têm, na terminologia arquivística, um valor de testemunho, um valor para a pesquisa.

Não falta vaga – O governo é um dos principais empregadores do Arquivista. Porém, um vasto campo de trabalho se apresenta, hoje, também, nas organizações privadas e, muitas vezes, o trabalho também é prestado a pessoas físicas, que querem ter seu arquivo pessoal organizado. Os arquivistas são procurados para facilitar o acesso à chamada “massa documental” de personalidades: elas próprias ou seus familiares, ao tomarem consciência da riqueza de informações contidas em papeladas e objetos acumulados, decidem pela necessidade da organização.


Inaugurando!

novembro 25, 2009

Olá galera! Este é o primeiro post do Tudosobrearquivologia! A partir de agora, sempre que encontrarmos coisas interessantes sobre esse tema, vamos postar aqui! Somos um grupo de alunos da UnB e esse blog faz parte de uma trabalho da faculdade. Nosso objetivo é levar informação sobre arquivologia para quem já conhece e gosta e mostrar para quem não conhece e o que é arquivologia e o que um arquivista faz! Bem vindos o/\o

Até a próxima!


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.